Exisitir?!

acordar

Abriu os olhos com dificuldade. Dura coisa é não poder dormir quando se quer… Bem que o despertador poderia gritar essas rudes palavras. Ao menos seria mais suave e gentil que o berro alarmado do invasivo apito desperteiro que nos lembra todas as manhã que somos meros produtores dessa rotina que chamam de existir.

Não. Não combina com existir. Exisitir deve ser algo mais do que acordar-levantar-sair-trabalhar-voltar-BBB-Novela das 8-namorar-casar-divorciar-trabalhar-consumir-acumular-dever-morrer-futebol-carnaval… Isso soa mais semelhante a dEXISTIR.

Desistir de se conhecer, desistir de se respeitar, desisitir de silenciar, desistir de pensar, desisitir de interferir, desisitir de entender, desistir de mudar, desistir de sentir o amor acontecer devagarinho, desistir de gravar (em slow motion no coração) o filho crescer, desistir de olhar infinito nos olhos de quem se ama, desistir de retentar e tentar, desistir de gosto natural de suco de fruta, desistir de viver… exisitir…

Pensou isso tudo antes de abrir de vez os olhos. “A mente é mais veloz que gigabites internetianos.”- ainda concluiu.

E sorriu feliz, porque lembrou-se que muito recentemente passou a exisitir para alguém para quem se vale a pena existir. Como a vida lhe parece completa…

(From Rubi to Léo – with Love Forever ;- ) )

Anúncios